Cadastra-se para receber notícias
Crise da Parmalat:

21/01/2004 12:00

Tamanho da fonte

O deputado estadual Elvino Bohn Gass está preocupado com a situação dos pequenos credores da Parmalat no Rio Grande do Sul. Ele teme que produtores de leite, cooperativas, pequenos prestadores de serviço (como os freteiros que fazem o transporte do leite), comerciantes e funcionários da empresa possam sofrer em prejuízo caso não se organizem para fazer o acompanhamento das medidas que a multinacional estará implementando para pagar suas dívidas no Estado. A Parmalat enfrenta uma séria crise financeira. Há risco de não conseguir honrar os compromissos no curto prazo, alerta o petista.

A preocupação de Bohn Gass também decorre do fato de que grandes instituições bancárias, com as quais a Multinacional está em dívida, já estão organizadas em um comitê de credores para acompanhar a situação da crise da empresa. O banco japonês Sumitomo Mitsui, que é um dos principais credores da Parmalat, obteve na justiça paulista uma medida cautelar bloqueando a venda de ativos da companhia no país e a remessa de recursos da filial para a matriz na Itália. É uma forma de os banqueiros japoneses garantirem que a Companhia tenha recursos para quitar sua dívida com o banco. Já existem três pedidos de falência da empresa na justiça paulista, destacou o deputado, que considera a organização existente, no caso dos pequenos credores, ainda insuficiente.

Em Carazinho, no último dia 15, por iniciativa da Central Única dos Trabalhadores (CUT), foi a vez de trabalhadores rurais e da própria indústria reunirem-se para tratar do tema. Na ocasião, criaram o Movimento em Defesa dos Trabalhadores e Produtores da Parmalat, que acompanha o caso em nome do setor. Entretanto, o movimento ainda não abarca outros possíveis credores que também prestam serviços à Companhia. Por essa razão, o deputado Bohn Gass está acompanhando passo a passo os prazos de pagamentos que a empresa deve efetuar aos pequenos credores. Minha intenção é alertar os trabalhadores. Nesse momento, é necessário que eles se unam e se organizem para que não sejam os maiores prejudicados nessa crise. Como deputado, estarei atento para auxiliá-los no que for necessário, conclui.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter