Cadastra-se para receber notícias
Saúde

27/10/2004 12:00

Tamanho da fonte

A Associação dos Secretários e Dirigentes Municipais de Saúde (ASSEDISA) e a Federação das Associações de Municípios do RS (FAMURS) não acordaram o corte de 40% dos recursos do Programa estadual Município Resolve. A denúncia foi feita pelo deputado estadual Elvino Bohn Gass (PT), em pronunciamento na sessão plenária da Assembléia Legislativa da tarde desta quarta-feira (27).

O parlamentar levou ao plenário uma circular assinada pelo presidente da Assedisa, Luciano Von Saltiel na qual Associação e Federação negam que tenham pactuado favoravelmente à redução ou encolhimento em 40% da participação financeira do Governo do Estado no financiamento do Sistema de Saúde.

Durante seu pronunciamento, o petista leu um trecho do documento onde a Assedisa se diz tomada de surpresa no momento em que identificou a circulação de documentos oficiais do Governo do Estado, informando aos prefeitos e secretários sobre a existência de negociações com a Famurs e a Assedisa que culminaram com o corte de 40% no programa Município Resolve.

Bohn Gass denunciou o que considera um descaso imperdoável com a saúde no Estado comparando os valores aplicados no setor durante o governo Olívio Dutra em relação ao governo Rigotto. Em 2003, pelo programa Municipalização Solidária da Saúde tivemos R$ 108,6 milhões orçados; hoje, o mesmo programa conta com apenas R$ 61,5 milhões, que devem passar a R$ 36,9 milhões. É uma redução drástica que se converterá em menos consultas, menos remédios, menos materiais hospitalares, infra-estrutura, etc..., pontuou.

O deputado cobrou ainda a aplicação dos R$ 300 milhões que os Ministérios Públicos Federal e Estadual ordenaram ao Governador Rigotto investir no setor de saúde do RS. No ano passado já tínhamos avisado que os valores orçados por Rigotto para a saúde seriam insuficientes. Para o ano que vem, pelo que vimos no orçamento, mais R$ 250 milhões deixarão de ser aplicados. E agora, temos mais esta novidade desagradável. Afinal, o que esse governo pretende fazer com os municípios. Estimular a ambulancioterapia ?, inconformou-se.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter