Cadastra-se para receber notícias
Pronaf

09/11/2004 12:00

Tamanho da fonte

Nesta segunda-feira (8), os representantes da CUT Missões, José Luís Seger, Wanderli Lopes, Leonardo Szinwelski e Celso Ostwald estiveram reunidos com o superintendente de agronegócios do Banco do Brasil no Estado, José Kochhann e com o delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário Nilton Pinho de Bem. Acompanhados dos deputados estadual Elvino Bohn Gass e federal Orlando Desconsi, os dirigentes vieram à superintendência do banco, na capital, solicitar a liberação de recursos de algumas modalidades do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf, às quais estariam tendo dificuldades em acessar.

Parlamentares e sindicalistas tranqüilizaram-se e comemoraram a informação dada por Kochhann de que, para o Pronaf E, um dos temas predominantes do encontro, estarão disponíveis R$ 35 milhões. É uma modalidade muito significativa, integrante do Plano Safra 2004/2005, criada pelo Governo Federal para atender a reivindicação histórica de agricultores excluídos pelo programa tradicional. A juros de 7,25%, a nova modalidade enquadrará grupos de agricultores com renda bruta familiar acima de R$ 40 mil e até R$ 60 mil, completou Bohn Gass.

Outro tema bastante questionado, o Pronaf C, estaria sofrendo atraso na liberação de investimentos, segundo o dirigente do Banco do Brasil, devido à implantação recente de um novo sistema operacional de geração de contratos e também em decorrência da greve dos bancários, que durou cerca de 30 dias. No entanto, garantiu Kochhann, não há risco de perda dos recursos de posse do banco em virtude do atraso na liberação dos financiamentos. Nossa preocupação é garantir que os nossos agricultores possam acessar esses subsídios o mais breve possível, manifestou Seger, que recebeu do superintendente a informação de que o programa começará a se normalizar.
Ficamos muito otimistas com a destinação de recursos para o Pronaf E anunciada pelo Banco do Brasil, mas reforçamos a nossa solicitação de que se agilize a liberação dos financiamentos, concluiu Desconsi.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter