Cadastra-se para receber notícias
Cooperativa de Giruá

27/04/2005 12:00

Tamanho da fonte

O presidente da Comissão de Agricultura da Assembléia Legislativa, deputado Elvino Bohn Gass (PT) acompanhou o presidente da Cooperativa Tritícola Agropastroril Giruá Ltda (Cootap), Ernani Laussmann, o diretor da Associação Comercial e Industrial Günter Melchior e o vereador Elton Mentges, do município de Giruá, em audiências com as superintendências do Banco do Brasil (BB) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), na manhã desta terça-feira (26/04), na capital.

Os dirigentes vieram a Porto Alegre solicitar o reestabelecimento do crédito da cooperativa no Banco do Brasil e buscar a repactuação das dívidas e recredenciamento dos armazéns da Cootap junto à Conab .Desde que o BB perdoou a dívida que a antiga gestão da cooperativa contraiu com a instituição, bloqueou, automaticamente, o acesso da Cootap às linhas de crédito do banco. Conforme o superintendente do BB, José Kochhann, há uma clausula no estatuto do banco que determina o encerramento das transações de crédito com devedores que tiveram suas dívidas anistiadas pela instituição. "A Cootap tem recuperado a auto estima de Giruá, abalada em função da má gestão anterior da cooperativa. Representamos um novo conjunto de clientes que por questões passadas estão impedidos de operar com o Banco do Brasil e que precisam de uma nova abordagem por parte da instituição", defendeu o vereador Mentges.

"Muitas cooperativas tiveram gestões desastrosas que acumularam dívidas posteriormente anistiadas pelo Banco do Brasil. Não é justo que gestões corretas fiquem impossibilitadas de operações com o banco em virtude do passado", reforçou Bohn Gass, que fará um levantamento junto à Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro) de todas as cooperativas em situação similar à da Cootap e marcará uma audiência com a direção do Banco do Brasil em Brasília para tratar do tema. "Lá, poderemos estabelecer contatos que nos auxiliem na criação de uma solução conjunta para este caso", disse o parlamentar.

Com a Conab, a Cootap têm uma dívida que está sendo cobrada na justiça. Por esta razão, de acordo com o superintendente regional da companhia, Carlos Farias, o recredenciamento dos armazéns da cooperativa só será feito mediante à quitação da dívida, e à vista. Segundo Farias, dois grupos de trabalho criados para estabelecer uma política específica para casos de inadimplência concluíram pela não repactuação e credenciamento de entidades em débito com a Conab. No entanto, o superintendente reconheceu que os agricultores não poderiam ser penalizados em virtude de uma má gestão e aconselhou Laussmann a elaborar uma proposta de pagamento da dívida a ser incluída no processo judicial. "Nossa preocupação é com o produtor", finalizou Farias.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter