Cadastra-se para receber notícias
Horizontina

16/05/2005 12:00

Tamanho da fonte

"Do governador Rigotto, vamos exigir que os contratos de Fundopem não sejam liberados sem que a empresa beneficiada se comprometa a gerar empregos. E em nível federal, vamos cobrar o estabelecimento de critérios para que os programas de financiamento público não estimulem as monoculturas". Estes serão, segundo o deputado Elvino Bohn Gass (PT), os primeiros encaminhamentos extraídos da reunião conjunta das comissões de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo e de Economia e Desenvolvimento da Assembléia Legislativa, realizada hoje (16) em Horizontina e que tratou dos efeitos da crise do setor de máquinas e implementos agrícolas na região Noroeste do Estado. Cerca de 150 pessoas superlotaram a Câmara de Vereadores da cidade.

Bohn Gass, que é presidente a Comissão de Agricultura e o deputado Adroaldo Loureiro (PDT), presidente da Comissão de Economia, levarão ao secretário Luís Roberto Ponte, titular da pasta de Desenvolvimento e Assuntos Internacionais do governo gaúcho, os relatos dos trabalhadores, dos sindicalistas, de prefeitos e da população do Noroeste gaúcho que se diz assustada com os efeitos da crise que pode ser ampliada gravemente com a possível transferência da empresa John Deere de Horizontina para o município de Montenegro. "Trata-se de uma das maiores empresas de máquinas agrícolas do país e temos a informação de que a mudança de local será coroada com incentivos fiscais via Fundopem. O Estado precisa saber que há uma região inteira apreensiva por conta disso", afirma Bohn Gass.

Já o deputado Adroaldo Loureiro (PDT) enfatizou que é necessário uma articulação urgente entre os empresários e governos federal e estadual, com a finalidade de manter os empregos. As centenas de famílias não podem aguardar a recuperação do setor sem os meios de subsistência, afirmou o parlamentar.

Monocultura não - Há outros motivos que estão sob a crise do setor de máquinas e implementos e um deles é o endividamento dos produtores agrícolas, especialmente da região Noroeste. "Programas como o Moderfrota, por exemplo, têm méritos, mas carecem de melhores critérios porque como estão, acabam financiando e, por conseqüência, estimulando, as monoculturas. Aí quando vem a crise, ninguém escapa. Se, ao contrário, o dinheiro público financiar e estimular a diversificação de culturas, aí sim nossas políticas públicas estarão a serviço do equilíbrio, financeiro e social das regiões" analisa o presidente da Comissão de Agricultura.

A reunião em Horizontina foi uma solicitação da Federação dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul que já vem, há algum tempo, encaminhando pleitos para os governos estadual e federal. Agora, as duas comissões da Assembléia vão acompanhar e reforçar as reivindicações da federação.

Só na região Noroeste, quase dois mil metalúrgicos já perderam o emprego. O impacto negativo no desenvolvimento daquela parte do Estado ainda não é mensurável, mas a julgar pelos depoimentos de trabalhadores, sindicalistas e autoridades municipais, já configura uma verdadeira crise econômica. "Como tal, deve ser enfrentado", resume o deputado Bohn Gass.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter