Cadastra-se para receber notícias
Extensão Rural

06/12/2005 12:00

Tamanho da fonte

O Dia do Extensionista Rural foi comemorado nesta terça-feira (6/12) com um seminário, organizado pelo Semapi, no Teatro Dante Barone da Assembléia Legislativa, pela manhã, e um protesto por aumento salarial em frente ao Palácio Piratini, à tarde.

O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo (CAPC), deputado Elvino Bohn Gass (PT), acompanhou as atividades dos extensionistas durante todo o dia. Bohn Gass foi um dos palestrantes do seminário, quando salientou que "não é por acaso que a Comissão e a Emater têm se encontrado em muitas atividades. Nosso trabalho tem muita identidade. A Comissão, sob minha presidência, ampliou o espaço e a voz dos agricultores familiares, defendeu e estimulou a agroecologia e valorizou a extensão rural. Tudo isso está na missão da Emater", resumiu o deputado. Além disso, Bohn Gass esteve presente em diversas atividades promovidas pela Emater em 2005, entre elas a comemoração dos 50 anos da entidade.

A prestação da contas do trabalho da Comissão foi apresentada, em primeira mão, aos extensionistas como forma de homenageá-los. No documento, está evidenciado o acompanhamento "muito de perto" da crise do setor leiteiro, as dificuldades criadas pela seca e a modificação das legislações de defesa animal e vigilância sanitária. O deputado chamou a atenção ainda para as políticas e os programas que vêm sendo desenvolvidos pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, de modo especial a reestruturação nacional do serviço de extensão rural.

Bohn Gass reforçou o interesse da Comissão e de seu mandato no que chamou de "estímulo ao retorno das boas práticas de extensão rural já que, em determinado período, os extensionistas foram levados a vender tecnologias em detrimento do verdadeiro e valoroso trabalho que é a presença na lavoura." Por fim, o deputado afirmou que está ao lado dos extensionistas na luta por melhores salários "porque este governo que aí está, comandado pelo PMDB, repete uma prática que enterrou o Rio Grande que é a de abrir as portas e o cofre para as grandes empresas e fechar as portas e o cofre para os servidores".

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter