Cadastra-se para receber notícias
Fumicultura

31/03/2006 12:00

Tamanho da fonte

Durante reunião realizada em Sobradinho, na manhã da quinta-feira (30), para tratar dos baixos preços pagos pela arroba do fumo e dos atuais procedimentos para classificação do produto, agricultores declararam disposição em suspender o fornecimento às indústrias se não houver uma solução para estes problemas. Presente ao encontro, a Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo do Legislativo (CAPC), representada pelo presidente, deputado Elvino Bohn Gass (PT), acompanhará o grupo formado por prefeitos, vereadores, entidades sindicais e agricultores, que irá buscar a renegociação dos preços e novas formas de classificação do produto com as empresas. “Temos uma representação plural dos envolvidos, agora, com a participação das associações de municípios. O grupo está organizado para defender os agricultores”, alertou o deputado.

Os produtores alegam que a média de preço recebido pelo fumo durante a safra 2004/2005, considerando as diferentes classificações, estava entre R$ 55 e R$ 65 a arroba (15kg) e que, em 2006, teria sido reduzida ao intervalo entre R$ 45 e R$ 55. Essa queda de preço tem o agravante do aumento dos insumos, o que diminui a renda. “O adubo químico, por exemplo, que na safra passada custava entre R$ 46 e R$ 52 o saco de 50 kg teve um aumento no preço médio para R$ 56 e R$ 63. Uma discrepância que se traduz em prejuízo direto para os agricultores familiares”, definiu o parlamentar.

No encontro, também foram denunciadas a utilização de CPFs de produtores pelas indústrias para captação de recursos em custeio e investimento, acima dos valores que são repassados a estes agricultores; e abusos na prática do arresto pelas empresas de fumo, a partir da qual a venda do produto só é permitida a um único comprador. “Os produtores sentem-se lesados ao serem obrigados a vender seu fumo a uma única empresa, mesmo que esta esteja pagando um valor aquém do mercado”, explicou o petista. As denúncias serão encaminhadas imediatamente ao Ministério Público Estadual e a Comissão de Agricultura irá elaborar estudos para alterar a Lei.

A reunião também teve desdobramentos no Vale do Rio Pardo. A Associação de Prefeitos daquela região deverá reuniu-se, nesta sexta-feira (31), para tratar da questão dos fumicultores locais. “Provavelmente, teremos um movimento semelhante ao de Sobradinho, porque os problemas são os mesmos. Há entendimento entre agricultores, poderes e entidades para buscar a solução destes casos”, finalizou Bohn Gass.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter