Cadastra-se para receber notícias
Habitação

24/05/2006 12:00

Tamanho da fonte

Até a próxima quarta-feira (31), o secretário estadual de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Vilmar Furini, deverá assinar o convênio que irá possibilitar a liberação de R$ 1.500 (por família) para a finalização de 98 habitações populares rurais de agricultores organizados pela Associação dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais Fronteiriços (ASTRF), Central de Cooperativas da Agricultura Familiar (Crecaf) e CUT-Missões. A garantia foi dada pelo próprio secretário Furini ao deputado estadual Elvino Bohn Gass (PT) e representantes das entidades, José Luís Seger, Adelmo Fonseca e Cesário Vitzel, em audiência intermediada pelo petista, na manhã desta quarta-feira (24). "Buscamos, antes de tudo, agilizar a solução deste caso. Há mais de dois anos as pessoas aguardam este desfecho para darem seguimento às obras", lembrou o parlamentar.

Desde julho de 2004, quando a Crecaf assinou protocolo de intenções com o Governo do estado para a construção de casas populares rurais em 14 municípios da região, o caso vem se arrastando no órgão público, que chegou a extraviar temporariamente documentos encaminhados pelas entidades. Em março passado, os dirigentes da região vieram à capital, conseguiram resgatar os documentos perdidos junto à Secretaria e definir o encaminhamento das certidões que ainda eram necessárias para destrinchar o caso. Insistimos com os funcionários da Secretaria que os documentos da Crecaf já haviam sido enviados e, por fim, eles acabaram encontrando a pasta com os nossos papéis, contou Adelmo Fonseca.

Pelo acordo firmado no protocolo, a Crecaf já disponibilizou R$ 1,5 mil iniciais, recurso que cada família utilizou para iniciar as construções. Ao governo Rigotto, cabe contrapartida de igual valor que seria destinada à finalização das moradias. Tivemos a garantia do novo secretário de que o convênio será assinado em tempo hábil para que os recursos possam ser liberados antes do período eleitoral. Esperamos, com isso, o desfecho do caso. As famílias já estão morando nas casas, mas falta acabamento, reboco, banheiros, etc. E isso só poderá ser feito quando o governo do Estado, enfim, fizer a sua parte, salientou Cesário Vitzel.

Em fevereiro deste ano, representantes das entidades ocuparam a Coordenadoria de Agricultura de Santa Rosa para exigir a solução da questão. À época, Rigotto prometeu pagar os beneficiários até o final de abril. O prazo venceu e nada foi pago. Agora, o secretário Furini tem até o final deste mês para cumprir o que se propôs. Caso contrário, retomaremos as mobilizações, alertou Seger.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter