Cadastra-se para receber notícias

16/07/2007 12:00

Tamanho da fonte

Nossa mídia não tem sido muito generosa com a Economia Popular Solidária. São escassas, até mesmo raras, as notícias sobre este tema. Por causa disso, nem todos sabem que na Economia Solidária todos fazem, todos dirigem e todos ganham. E nem todos sabem que no Rio Grande do Sul, já existem aproximadamente 340 mil pessoas que estão conseguindo trabalhar e gerar renda nos mais de 2 mil empreendimentos solidários que funcionam em território gaúcho. O governo Lula criou a Secretaria Nacional de Economia Solidária e, numa demonstração da importância que dá ao assunto, convidou o renomado professor Paul Singer para comandá-la. No Congresso Nacional foi formada uma Frente Parlamentar Nacional em Defesa da Economia Solidária, que já conta com quase 200 parlamentares. Aqui no Estado, tenho a honra de coordenar a Frente Parlamentar gaúcha e a satisfação de contar com a participação dos 55 deputados estaduais. Nossa primeira tarefa será acompanhar o trâmite do ante-projeto de lei que cria a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária. Um abaixo-assinado com mais de cinco mil assinaturas de apoio a este ante-projeto foi entregue à Comissão de Participação Legislativa. Agora, as comissões temáticas da Assembléia Legislativa vão debatê-lo. Em 2004, apresentei um projeto de lei com o mesmo objetivo. O projeto chegou a ser aprovado na Casa, mas o governador Rigotto vetou. Agora, por iniciativa popular, estamos tentando de novo fazer com que a Economia Solidária seja reconhecida legalmente. Afinal, sua legitimidade social está mais do que comprovada na prática.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter