Cadastra-se para receber notícias
Frente Parlamentar

29/10/2007 12:00

Tamanho da fonte

Em tempos de governo tucano, o Estado gaúcho corre grandes riscos. Seja pelas privatizações disfarçadas, pelas terceirizações de fundações ou mesmo pelas já anunciadas extinções de empresas estatais. Neste ambiente de liquidação de tudo o quanto é público, chamo a atenção para dois serviços que considero essenciais para a sobrevivência e o desenvolvimento da nossa agricultura: a assistência técnica e a extensão rural.

MENOS PESSOAL E MENOS DINHEIRO -Em poucos meses de governo, Yeda já precarizou estes serviços demitindo 400 funcionários da Emater, a empresa pública que há 51 anos presta assistência técnica aos agricultores e desenvolve um ótimo trabalho na extensão rural. Usando o discurso (não seria melhor dizer ladainha?) da crise, a governadora cortou também 30% das verbas que o Estado destinava à Emater. Isto, lamentavelmente, esgaça a capacidade de trabalho dos funcionários e, por óbvio, diminui a qualidade do serviço prestado. Talvez porque a lógica tucana seja mesmo esta, Yeda não admitiu estas perdas, ao contrário, tentou justificar os cortes com a alegação de que eles não trariam maiores prejuízos.

Perguntei ao meu companheiro e amigo José Luiz Seger, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santo Cristo, como ele via estes cortes de pessoal e verba na Emater. "É preocupante. A orientação técnica da Emater é fundamental para os agricultores, especialmente os familiares. Ainda mais num Estado que convive com secas e que precisa, portanto, de assistência técnica permanente." O "Zeca" sabe o que diz, é um agricultor familiar.

REAÇÃO - É certo que Yeda foi legitimamente eleita. Mas não é certo que ela saia passando a tesoura em serviços fundamentais sob pena de, em nome de uma pretensa economia, destroçar a máquina pública e deixar o povo gaúcho sem os serviços que lhe são fundamentais como é o caso da assistência. No Congresso Nacional, mais de 250 deputados e 20 senadores demonstraram consciência da importância destes serviços e formaram a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Extensão Rural. Por isso, convidei deputados gaúchos que integram esta frente para uma reunião na Assembléia Legislativa. O encontro é hoje, às 18, no Plenarinho. Já tenho confirmação da presença de Pepe Vargas e Adão Pretto. Eles vão nos dizer a quantas andam os trabalhos da frente e vamos aproveitar a reunião para ouvir as diversas entidades do setor. Quem sabe não formamos uma frente gaúcha em defesa da extensão rural que possa somar forças na reação ao desmonte que o governo Yeda está patrocinando nesta área.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter