Cadastra-se para receber notícias
Bohn Gass defende o ENEM e diz que Haddad calou oposição ao mostrar importância do exame

24/11/2011 01:04

Tamanho da fonte

 Bohn Gass defende o ENEM e diz que Haddad calou oposição ao mostrar importância do exame

         Atendendo a convite da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, o ministro da Educação, Fernando Haddad, participou de audiência pública para responder a questionamentos da oposição sobre a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

            Ao final da exposição do ministro, o deputado Elvino Bohn Gass (PT) sentenciou: “O Haddad calou a oposição ao demonstrar que o Enem é muito maior e mais importante do que algumas questões a que meia dúzia de alunos possa ter tido acesso por coincidência e não por falha do exame. Basta que se vejam os números: eram  1,5 milhão de inscritos em 2003 e foram quase 5 milhões em 2010. Estamos falando de um contingente de inscritos que se equipara à população da Dinamarca. Não teríamos isto se não houvesse confiança no exame”. Bohn Gass ressaltou, ainda, o número de oportunidades abertas pelo Enem: “As vagas nas universidades preenchidas pelo sistema também cresceram e devem chegar a 100 mil no próximo ano.”

            Segundo Haddad, a evolução do Enem não foi apenas quantitativa, mas social. “O velho Enem, criado em 98, não prosperou porque foi criado apenas para atestar a capacidade dos alunos. Hoje, além disso, o exame também é um meio que possibilita a alunos de regiões distantes do País, como do interior do Amazonas, por exemplo, ingressarem nas melhores universidades do Brasil.”

            Ao responder a questionamentos de deputados da oposição, sobre as tentativas de fraude nas provas, o ministro disse que o Enem tem investido na prevenção de possíveis irregularidades. “O Enem dos Estados Unidos, por exemplo, tem 85 anos de existência e também sofre constantes tentativas de fraude. Lá, cerca de mil a três mil provas são canceladas a cada exame por conta de fraudes. Aqui, no Brasil, na última aplicação do Enem, o ministério da Educação chegou até a contratar uma empresa de análise de risco para avaliar as possíveis tentativas de fraude”, afirmou.

            Segundo o ministro, em vez de desacreditar o Enem, o ministério tem “enfrentado os bandidos que tentam fraudar o exame” e denunciado as tentativas de crime. Haddad disse ainda que todo o processo de montagem do exame é acompanhado, dentro do ministério, por técnicos da Controladoria Geral da União, que fiscalizam todas as etapas.

 

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter