Cadastra-se para receber notícias
Sete de Setembro

27/03/2008 12:00

Tamanho da fonte

Sete de Setembro deu mais um grande passo para a conquista de uma reivindicação histórica da comunidade: a construção de um trevo de acesso ao município, na BR 392. Na tarde de quarta-feira (26), o prefeito Eliseu Melo da Silva (PSB); o vice-prefeito, Márcio Politowski (PT) e a secretária de Educação e Administração do município, Eliane Tizotti, entregaram o projeto da obra ao Departamento Nacional de Infra-estrutura de Trânsito (DNIT), em Porto Alegre. Acompanhados de assessores dos gabinetes dos deputados Elvino Bohn Gass (PT) e Heitor Schuch (PSB), eles foram recebidos pelo superintendente regional do órgão, engenheiro Marcos Ledermann. Ambos parlamentares têm auxiliado os dirigentes no andamento do processo junto aos órgãos competentes. "Há anos, estamos pleiteando esta obra. Mas temos dificuldades nos encaminhamentos. Os deputados estão nos ajudando neste trâmite", explicou a secretária Eliane. Ela contou que foi Bohn Gass quem sugeriu os contatos diretos com a superintendência do DNIT.

Segundo os dirigentes, a ausência de um trevo na entrada de Sete de Setembro torna perigoso o trecho na BR 392. "Sem uma organização mais efetiva do tráfego, a entrada e saída de carros do município se confunde com o fluxo de carros em alta velocidade rumo a Porto Xavier. Muitos acidentes decorrem desta confusão" , lembrou Eliane.

O projeto do trevo de acesso foi elaborado por uma empresa de Sete de Setembro com a participação de profissional da Prefeitura. De acordo com o superintendente, a proposta será submetida à analise de engenheiros do Departamento. "Sem o projeto, não tínhamos como fazer orçamento e, sem o orçamento, não podíamos solicitar verba para a obra", explicou Ledermann., que protocolou o projeto no órgão e forneceu o número do documento para os dirigentes do município. "Com o número do protocolo em mãos, podemos fazer um acompanhamento permanente do caso junto ao DNIT. Faremos todo o possível para agilizar este trâmite, principalmente por tratar-se de uma questão de segurança", concluiu Bohn Gass.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter