Cadastra-se para receber notícias
Professores vão às ruas outra vez

24/04/2009 12:00

Tamanho da fonte

Em todo o país, hoje, os professores fazem manifestações por melhores salários e condições de trabalho. E os educadores gaúchos, sempre entre os mais aguerridos, estão mobilizados.

Com seu jeito arrogante, intransigente, arbitrário e truculento, o governo Yeda retomou a tática da ameaça de corte do ponto para tentar evitar que, mais uma vez, trabalhadores digam o que pensam sobre sua desastrosa administração que arruína, dia a dia, os serviços públicos do Estado.

Contudo, o CPERS Sindicato, numa posição altiva e digna, não se deixou intimidar.

Reproduzo, aqui, a nota do CPERS na esperança de que, mais e mais gaúchos e gaúchas, percebam o tom vingativo (autorizado por Yeda, é óbvio) da secretária Mariza Abreu.

Conta o CPERS que...

A Secretaria da Educação passou os últimos dois dias enviando documentos às escolas com ameaças contra quem aderir à greve nacional de 24 horas, prevista para sexta-feira, dia 24, e quem participar da Assembleia Geral dos Educadores marcada para o próximo dia 30. Após isso, chamou a direção do CPERS/Sindicato, no início da noite de quinta-feira, dia 23, para comunicar que vai apresentar o novo Plano de Carreira do Magistério.

Diante da postura autoritária e intransigente da Secretaria da Educação, que tenta, mais uma vez, impor aos educadores uma proposta de governo que todos já conhecem a sua lógica, a direção se retirou da reunião, mas antes entregou um ofício com o seguinte conteúdo:

Senhora secretária,

Dirigimo-nos a Vossa Excelência para reiterar a permanente disposição do CPERS/Sindicato ao diálogo com o Governo do Estado e a Secretaria da Educação.
No entanto, reafirmamos que não aceitaremos ataques às conquistas históricas como Planos de Carreira, Gestão Democrática nas escolas da rede estadual e livre organização da nossa categoria.
Frente a uma política de fatos consumados, nosso encaminhamento será sempre a luta e a mobilização.
Por fim, queremos reafirmar aos companheiros que a resposta aos ataques do governo aos direitos dos trabalhadores em educação, como os Planos de Carreira e à Lei de Gestão Democrática, será dada na Assembleia Geral do próximo dia 30, às 13h30, no Gigantinho, em Porto Alegre.

Diante de mais esta triste demonstração de falta de diálogo por parte da administração tucana - que, aliás, está afogada num mar de corrupção - me ocorre oferecer aos professores e trabalhadores de escola uma mensagem de esperança. Para isso, utilizo-me de uma música de Ivan lins com letra de Vitor Martins que ouvi dias atrás. Diz assim...

No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
Da força mais bruta, da noite que assusta,
Estamos na luta
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver
Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança
No novo tempo, apesar dos castigos
De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
De todos os pecados, de todos enganos, estamos marcados
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver
No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
A gente se encontra cantando na praça

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter