Cadastra-se para receber notícias
Sessão solene

29/04/2009 12:00

Tamanho da fonte

Num cenário de crise econômica internacional, os trabalhadores do mundo inteiro têm mais motivos para preocupação do que para comemorar. O Brasil, no entanto, apresenta um ambiente diferenciado, no qual os efeitos do turbilhão financeiro foram amortecidos, em grande parte, pelas políticas de distribuição de renda patrocinadas pelo governo federal e pela expansão do mercado interno, associada ao aumento da massa salarial. A avaliação é do deputado Elvino Bohn Gass (PT), que falou em nome da bancada do PT na sessão solene em homenagem ao Dia dos Trabalhadores, realizada nesta quarta-feira (29) na Assembleia Legislativa.

O líder petista listou uma série de políticas sociais voltadas à distribuição de renda e à geração de empregos levadas a cabo pelo governo federal, como a Bolsa Família, que destina mais de R$ 11 bilhões por ano para famílias carentes, e o programa Minha Casa, Minha Vida, que irá injetar R$ 70 bilhões na economia brasileira nos próximos três anos. Citou também o Prouni, que abriu as portas das universidades para os filhos dos trabalhadores.

Bohn Gass elogiou, ainda, a decisão do governo federal de apenas conceder benefícios fiscais para empresas que se comprometerem com a manutenção dos postos de emprego. "Há anos, lutamos para que isso ocorra no Rio Grande do Sul também e para que o Fundopem seja cortado quando a empresa beneficia demitir", ressaltou.

Para o parlamentar, a eleição de um metalúrgico para a presidência da República é um motivo de orgulho para a população brasileira, "principalmente quando o mandatário foi alvo dos preconceitos mais mesquinhos e conseguiu mostrar compromisso social e capacidade para administrar o País". "A maior resposta ao preconceito contra os trabalhadores, concentrado na figura do presidente Lula, veio através da ampla aceitação popular e do inegável reconhecimento internacional aos méritos do presidente brasileiro."

Por fim, Bohn Gass fez um apelo para que o conjunto da Assembleia se empenhe para aumentar o índice de reajuste para o piso salarial regional, estipulado em 5,92% pelo governo do Estado. "A principal homenagem que podemos prestar aos trabalhadores gaúchos é preservar esta conquista, que se tem se mostrado um eficiente instrumento de distribuição de renda", finalizou.

O ato das centrais sindicais, previsto para ocorrer após a sessão solene da Assembleia Legislativa, foi cancelado em virtude da intensa mobilização dos sindicalistas pelo aumento do percentual de reajuste do piso regional.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter