Cadastra-se para receber notícias
Ouvimos a voz das ruas ou "nos lixamos" para a opinião pública?

04/06/2009 12:00

Tamanho da fonte

Recebi um boletim da Ugeirm Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do RS falando sobre a vigília que o Fórum dos Servidores Públicos Estaduais fez, de três dias, na Praça da Matriz, em apoio à instalação da CPI da Corrupção aqui na Assembleia Legislativa.

Bravos servidores estes que dedicam parte do tempo de suas lutas específicas nas categorias para lançar-se a um movimento conjunto tão importante. Penso, logo, vou dizer: não fosse esta consciência cidadã do Fórum de Servidores, tenho lá minhas dúvidas se a opinião pública teria dado uma resposta tão definitiva contra o governo Yeda como aconteceu com as duas recentes pesquisas divulgadas pelos jornais Zero Hora e Folha de São Paulo.

Nas duas, o governo Yeda bate recordes de rejeição. Nunca uma administração foi tão mal avaliada. No RS ou no Brasil. Pois Yeda conseguiu esta façanha que não queremos que sirva de modelo a ninguém.

O governo é tão ruim que 70% (atenção: 70%!!!) se diz favorável ao impeachment de Yeda. É só traduzir: o povo quer a governadora fora do Palácio Piratini. E que não se diga que ZH e a Folha são jornais petistas porque isso não faz o menor sentido.

De volta ao boletim da Ugeirm: "Os deputados estaduais estão se lixando para a opinião pública", resume Isaac Ortiz, presidente da entidade depois de constatar que apenas 16 (mais o deputado Paulo Azeredo que ainda não assinou mais já garantiu seu apoio) dos 55 parlamentares gaúchos assinou o requerimento da CPI.

De minha parte, como deputado que já assinou a CPI, não sou tão categórico: ainda acredito que conseguiremos o apoio necessário porque não consigo imaginar que, diante de tamanha rejeição e de um mar de lama como o que está aí, a Assembleia Legislativa deixe de cumprir um de seus papéis mais fundamentais que é a fiscalização dos atos do Executivo.

E, neste sentido, o de continuar tentando sensibilizar meus colegas deputados para que assinem a CPI é que volto ao boletim da Urgeirm:

A rigor, uma CPI não é instalada para denunciar ninguém, tampouco para postular o impedimento de um governante. Seu propósito é investigar e elaborar um relatório. A sociedade sabe diferenciar fatos de factóides que interessam tanto à oposição quanto ao governo. A comissão parlamentar pode contribuir para revelar fatos que são do interesse público, mas que, por alguma razão, estariam sendo mantidos sob sigilo judicial.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter