Cadastra-se para receber notícias
Perfil

15/03/2010 11:41

Tamanho da fonte

Bohn Gass nasceu no dia 5 de fevereiro de 1962 na localidade de Linha Arnoldo, interior do município de Santo Cristo, região Noroeste do Rio Grande do Sul.

Filho de agricultores familiares, desde cedo ajudou os pais na pequena propriedade. Trabalhou na lavoura plantando e colhendo milho, mandioca, batatas, frutas e verduras. Ainda criança, aprendeu a cuidar dos animais e a tirar leite.

Desde muito jovem, compreendeu que a atividade dos agricultores familiares não recebia, de parte dos poderes públicos e da sociedade, o devido reconhecimento. Era um colono e sentia orgulho disso, mas estranhamente, ser "colono" era motivo de chacota em muitos espaços urbanos. Além disso, apesar de ver a família inteira trabalhando muito, Bohn Gass constatava que a renda era baixa. E logo descobriu aquele trabalho todo não valia para efeitos de aposentadoria. Isto mesmo, naquela época, só o pai da família, o chefe da propriedade, é que tinha seus direitos previdenciários garantidos e podia contar o tempo trabalhado na lavoura para efeito de aposentadoria.

Mais tarde, já como sindicalista, Bohn Gass lutou para que este direito fosse estendido às mulheres. Mas o reconhecimento do trabalho dos jovens só veio bem mais tarde. E foi o próprio Bohn Gass, quando se tornou deputado, quem fez a lei que finalmente permitiu a inclusão dos nomes dos jovens agricultores familiares no Bloco do Produtor, garantindo os direitos da gurizada.

Ainda na adolescência, Bohn Gass percebeu que havia uma diferença muito grande entre o preço que o agricultor recebia por seu trabalho e o valor dos produtos agrícolas vendidos nos mercados. E verificou que esta diferença era ainda maior quando o produto passava pela indústria.

E se, por um lado, havia muitas dificuldades em viver na colônia, por outro, Bohn Gass vibrava com o contato direto com a natureza, com a possibilidade de tomar banho de rio, de comer fruta no pé e de respirar ar puro. Além do mais, em sua família, valores como solidariedade, respeito e justiça sempre foram muito bem fixados. A vida na agricultura familiar era trabalhosa, mas ao mesmo tempo, cheia de sinceridade e alegria.

Dono de uma religiosidade herdada dos pais católicos, Bohn Gass freqüentava as missas e logo ingressou na Pastoral da Juventude. E para que pudesse garantir conhecimento, foi matriculado no Colégio La Salle. Daí em diante veio o movimento estudantil, o trabalho pastoral, entre outros, na Prelazia do Xingu na Amazônia.

Quando voltou para Santo Cristo, já reunia uma boa experiência de vida e algum conhecimento. Associado ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município, logo tornou-se, por duas vezes, presidente da entidade.

Trazia na memória as dificuldades de quem vive no meio rural e sabia exatamente quais eram as prioridades da agricultura familiar. Assim, destacou-se como sindicalista quando apoiou lutas pelos direitos sociais das agricultoras, por melhores preços para os produtos agrícolas, pela ampliação do acesso ao crédito, pelo seguro agrícola, pelo direito à educação, por melhorias na infra-estrutura da zona rural e pela criação de políticas públicas que atendessem os agricultores familiares.

Apesar de sua luta constante, percebeu que só o sindicalismo não era suficiente para provocar uma mudança radical na vida das pessoas. Foi assim, que em 1980, foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, para ter mais um instrumento de ação na busca de uma sociedade justa e fraterna e foi também um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores, presidindo a CUT/Missões e sendo secretário agrário da CUT/RS e integrando o Departamento Nacional dos Tralhadores Rurais da CUT.

Naturalmente, chegou a hora de colocar seu nome a serviço do PT. Assim, foi candidato a prefeito de Santo Cristo em 1988. Em 1996, elegeu-se vereador com a maior votação da historia do município. No mesmo ano, renunciou a vaga de vereador para assumir como deputado estadual (era primeiro suplente do PT).

Foi reeleito novamente Deputado Estadual em 1998, 2002 e 2006, com votação em mais de 250 municípios gaúchos. Sua trajetória não se restringe apenas a Legislador. Sempre foi um membro atuante nas instâncias partidárias. Membro do Diretorio Estadual do PT e seu Secretário Agrário, além da constante inserção nos debates dos movimentos sociais e sindicais.

Em quatro mandatos como Deputado Estadual qualificou-se como um parlamentar líder de sua bancada, presidente da Comissão de Agricultura, coordenador das frentes parlamentares em defesa da extensão rural e da economia popular e solidária. Líder respeitado pelos deputados da oposição, sempre presente como interlocutor dos movimentos sociais nos grandes debates de projetos em votação na Assembléia Legislativa, nas Comissões Parlamentares de Inquéritos e destemido com os poderosos que se apropriam do dinheiro público.

Participou ativamente nos grandes projetos do Governo Olívio e do Governo Lula, sempre contribuindo com proposições que valorizem a participação popular, capacitem a agricultura familiar como uma fonte de geração de alimentos e renda para toda a população, maior acesso ao ensino público técnico e superior, matriz tributária justa, além de tantas outras.

Atualmente, a história de lutas e a experiência adquiridas ao longo de tantos anos conduziam Bohn Gass ao cargo de Secretário Nacional Agrário do Partido dos Trabalhadores.

Hoje, Bohn Gass tem formação acadêmica em Estudos Sociais pela Unijuí, com licenciatura em História e Pós-Graduação em Gestão Social pela UFRGS. Mas seu maior legado vem da vivência diária junto às comunidades que visita todos os finais de semana, quando conversa com cada cidadão e cidadã, na busca do entendimento do que pode ser feito para melhorar a qualidade de vida de todos.

Acima de tudo, Bohn Gass é um ser humano ético, generoso, que olha nos olhos das pessoas, um sonhador e trabalhador incansável, que faz a sua parte para tornar a vida das pessoas mais digna e cidadã. Estas características foram reconhecidas pelos organizadores do Fórum Social Mundial que em todas as suas edições no Rio Grande do Sul, chamaram Bohn Gass para coordenar seminários e debater temas que discutisse os temas relacionados à soberania alimentar, às políticas ambientais planetárias e à influência da tecnologia na produção de alimentos.

Por tudo isso é que o lema de seu mandato parlamentar é POLÍTICA PELA VIDA.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter