Cadastra-se para receber notícias
Apoio ao HOSPITAL 100% SUS nas Missões é UNANIMIDADE ENTRE PREFEITOS da região

16/03/2012 07:58

Tamanho da fonte

Apoio ao HOSPITAL 100% SUS nas Missões é UNANIMIDADE ENTRE PREFEITOS da região

Os deputados Elvino Bohn Gass e Jeferson Fernandes, do PT, participaram, na manhã desta sexta-feira (16/3), na sede da Famurs, em Porto Alegre, da reunião da Associação dos Municípios das Missões (AMM) que teve como pauta principal o Movimento Pró-Hospital 100% SUS na região.

            Para o presidente da entidade, prefeito Orcelei Dalla Borba (PMDB), a AMM tem muito interesse no trabalho da comissão pró-hospital. “Tanto é assim que incluímos este tema como parte da nossa pauta entregue ao governador Tarso Genro.” Segundo Dalla Borba, quando se fala em custos, deve-se levar em conta as vidas que se perdem no transporte de doentes para os centros maiores, o sofrimento que isto causa aos familiares, os gastos com pessoal, combustível, desgaste dos veículos e das estradas. “Sabemos que é coisa de longo prazo e que o custo alto, mas a região tem obrigação de pensar num hospital público.”

            A manifestação animou o deputado Bohn Gass: “Percebo que há a compreensão total de que só um movimento político forte e coeso poderá transformar o sonho do hospital em realidade.” Bohn Gass citou a Universidade Federal da Fronteira Sul e os IFETs como exemplos de conquistas da união das forças regionais. “Quando falávamos em ter uma universidade federal na região, diziam que éramos loucos. Hoje, a UFFS é uma realidade”. O petista sugeriu que o Movimento Pró-Hospital marque uma audiência com o atual coordenador da bancada gaúcha na Câmara Federal, deputado Renato Molling (PP), para apresentar a ideia e pedir apoio.

            “A verdade é que não temos conseguido resolver os problemas de saúde de média e alta complexidade em nossa região. Mas não há contradição entre a luta por um hospital público e o atendimento das necessidades dos nossos hospitais filantrópicos já instalados. A Secretaria de Saúde do Estado está, sim, disposta a colaborar fornecendo dados e avaliando, junto conosco, a viabilidade de um hospital 100% SUS nas Missões”, manifestou o deputado estadual Jeferson Fernandes.

            Na quinta-feira (15/3), Jeferson acompanhou os prefeitos missioneiros num encontro com o governador Tarso Genro. “Quando falamos no hospital, o governador chamou o Secretário do Gabinete dos Prefeitos, Afonso Motta, e determinou que ele acompanhe o tema. Tarso disse, ainda, que o Estado vai ajudar na realização do estudo técnico de viabilidade do hospital”, informou Jeferson.

            A reunião da AMM contou com forte participação das Câmaras de Vereadores da região. O vereador Célio Malheiros de Moura (PP/Caibaté), que é presidente da Associação dos Legislativos das Missões (ALM) disse que na última reunião da entidade, 128 vereadores missioneiros manifestaram apoio à luta pelo hospital público. “A razão é uma só:  a região precisa”, sintetizou Célio. Membro do Movimento Pró-Hospital, o vereador Junaro Figueiredo (PP), de São Luiz Gonzaga, também esteve na reunião da AMM e garantiu que vários comitês pluripartidários e com representantes de todos os setores sociais estão se organizando na região missioneira. “As universidades, os conselhos municipais, a 12ª Coordenadoria de Saúde e muitas outras entidades empresariais e de trabalhadores estão entrando nesta luta”, celebrou Junaro. A vereadora petista Eni Malgarim (São Luiz Gonzaga), uma das coordenadoras do Movimento Pró-Hospital e Gilberto Corazza (PT/Santo Ângelo), tiveram participação destacada no debate.

            “PREFEITO SOZINHO NÃO FAZ SAÚDE” – O diretor administrativo do Grupo Hospitalar Conceição, Gilberto Barrichelo, foi convidado pela AMM para relatar aos prefeitos como se deu o processo que está viabilizando o Hospital Público Regional de Palmeira das Missões/Frederico Westphalen. “Primeiro, quero dizer que um prefeito sozinho não consegue fazer saúde. Hoje, é preciso trabalhar com os conceitos de estruturas regionais complementares, de redes de atenção. E isto inclui os hospitais filantrópicos que detém 70% dos leitos do SUS. Não se deve imaginar que um hospital público 100% SUS possa ser a solução. Ele será apenas parte de uma rede que deve contar, ainda, com unidades menores como as UPAS e os centros de atendimento ao idoso, por exemplo.”

            Barrichelo disse que no caso de Palmeira, já há dotação de cerca de R$ 40 milhões em verbas federais e que a licitação para a construção do prédio deve acontecer no mês de maio. Didático, o administrador do Conceição  mostrou aos prefeitos que a construção de um hospital passa, antes, por um estudo de viabilidade que começa com o levantamento de dados: qual território será abrangido? Quais serão as áreas de atendimento? Qual o tamanho da população que se proporá a atender? Qual sistema de saúde será adotado? Que doenças são mais comuns na região? Quais as especialidades já existentes na região?

            “Se os senhores responderem a estas perguntas e chegarem à conclusão de que vão seguir lutando por um hospital 100% SUS, podem contar comigo. Porque sou de Tucunduva e, portanto, conheço bem a região. E acho que já chega de concentrarmos leitos, tecnologias e recursos na região metropolitana”, finalizou.

João Manoel de Oliveira – maneco1313@gmail.com – (61) 9303 0591

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter