Cadastra-se para receber notícias
Bohn Gass: “Campo tem 4,8 milhões de assalariados, mas só 35% com carteira”

20/03/2012 08:32

Tamanho da fonte

Bohn Gass: “Campo tem 4,8 milhões de assalariados, mas só 35% com carteira”

Direção da Contag, Maia e Bohn Gass: em pauta, políticas de proteção aos assalariados rurais

            Para garantir que os quase 5 milhões de trabalhadores assalariados do campo brasileiro tenham acesso às políticas públicas já existentes e possam, também, contar com benefícios específicos, o deputado Elvino Bohn Gass (PT/RS) intermediou, nesta terça-feira (20/3), um encontro entre a direção da Contag e a presidência da Câmara Federal.

            “Segundo dados do IBGE de 2009, dos 4,8 milhões de trabalhadores e trabalhadoras rurais assalariados no Brasil, 64,9% encontram-se em situação informal, ou seja, a imensa maioria não tem direito a seguro-desemprego, aposentadoria, auxílio-doença, pensão por morte ou férias. Além disso, não são raros os assalariados do campo que vivem situações muito próximas do trabalho escravo. A Contag lidera esta mobilização e o meu mandato apoia”, diz Bohn Gass.

            "Também reivindicamos a agilidade na concessão dos registros sindicais, a qualificação para 400 mil assalariados e assalariadas rurais e a limitação do trabalho em atividades rurais extenuantes e desgastantes", completa o secretário de Assalariados e Assalariadas Rurais, Antonio Lucas.

            O presidente da CONTAG, Alberto Broch, elogiou a realização da mobilização nacional específica desse público, que está perdendo o emprego para a mecanização no campo. "Somente no setor sucroalcooleiro, mais de 80 mil postos de trabalho foram extintos entre 2007 e 2010", divulga o sindicalista.

           SUCESSÃO FAMILIAR – Além de pedir o apoio do presidente da Câmara, Marco Maia, no sentido de agilizar a votação de projetos como o que reduz a jornada de trabalho no Brasil para 40 horas e a PEC do Trabalho Escravo, Bohn Gass e a direção da Contag reforçaram a importância da aprovação do projeto de lei de sucessão na agricultura familiar. “Neste sentido, já estive, também, com o ministro Pepe Vargas, do Desenvolvimento Rural, para combinarmos uma ação Governo-Câmara que garanta a votação deste projeto tão importante, especialmente para a juventude da agricultura familiar”, finalizou Bohn Gass.  

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter