Cadastra-se para receber notícias
Governo Dilma já tem estudos parciais para até três pontes entre Brasil e Argentina

08/07/2015 08:35

Tamanho da fonte

Governo Dilma já tem estudos parciais para  até três pontes entre Brasil e Argentina

Em audiência nesta terça-feira (8) com o Ministro dos Transportes Antonio Carlos Rodrigues, o deputado federal Elvino Bohn Gass (PT/RS) foi informado de que o Governo Federal estuda a possibilidade de construir não uma, nem duas, mas até três pontes para ligar o Brasil à Argentina pela região Noroeste do Rio Grande do Sul.

Como este é um dos temas prioritários de seu mandato, Bohn Gass seguiu, depois, para a sede do DNIT a fim de dar continuidade às tratativas. Lá, recebeu cópia dos estudos técnicos parciais que vão orientar a decisão sobre os locais e os períodos de construção das pontes. A princípio, os técnicos estariam indicando que a primeira ligação entre os dois países deverá ser construída a partir do município de Porto Mauá, em 2017. A segunda ponte teria como ponto de partida o município de Porto Xavier e iniciaria as obras em 2022. E a terceira, a partir de Itaqui, em 2027.

“O que orienta o Governo são estudos técnicos, não o sentido de privilegiar um ou outro município. A ligação é binacional e, portanto, trata-se de levar em conta o que é melhor para os dois países. De minha parte, a luta é para que as pontes sejam construídas o mais rápido possível e farei todo o esforço para que isto aconteça”, manifesta Bohn Gass.

O ministro Rodrigues garantiu ao deputado que, até o final do mês de julho, os estudos serão finalizados e, então, haverá a decisão sobre o local exato da primeira ponte. “Penso que o mais importante é o desenvolvimento regional. Compreendo que as comunidades de Porto Mauá e Porto Xavier tenham, ambas, interesse nas pontes, mas num ou noutro, o benefício será de toda a região”, diz o deputado. Ele destaca, ainda, o nível de transparência com que o Governo Dilma vem tratando a questão: “os estudos parciais estão à disposição das comissões de cada um dos municípios que, portanto, podem se mobilizar incluindo novos dados e fazendo todas as considerações que considerarem necessárias”.

 

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter