Cadastra-se para receber notícias
"Foram os golpistas que alteraram o perfil de Paulo Freire na Wikipédia", afirma Bohn Gass

04/07/2016 04:09

Tamanho da fonte

"Foram os golpistas que alteraram o perfil de Paulo Freire na Wikipédia", afirma Bohn Gass

Bohn Gass vê coincidências demais entre o pensamento dos golpistas e a alteração feita no perfil de Paulo Freire na Wikipédia.

"O perfil do educador Paulo Freire foi alterado na Wikipédia.

A alteração partiu de um computador do Serpro, ou seja, uma rede sob responsabilidade do Estado brasileiro.

É uma vergonha mundial! Trata-se da biografia do maior educador do país, do patrono da educação, de um dos brasileiros mais respeitados no mundo!

Tudo isso obriga o presidente golpista Temer a dar explicações urgentes: quem fez as alterações? Que providências foram tomadas?

Eu lembro bem: nas passeatas verde-amarelas, que agora sabemos que foram pagas pelo PMDB de Temer e de Cunha, e pelo PSDB de Aécio e Serra, havia cartazes dizendo “chega de doutrinação marxista, fora Paulo Freire”.

Pois agora, são esses mesmos termos aparecem no perfil alterado de Freire.

Não, não é coincidência. Os parágrafos inseridos são cópias de um texto publicado no site do Instituto Liberal.

Ou seja, há pistas fartas para se chegar aos responsáveis por essa agressão.

Então, ou Temer toma atitude imediata, ou autoriza que se acuse que seu governo além de ilegítimo, está aparelhando ideologicamente o Estado.

Aliás, esse aparelhamento aparece travestido num projeto de lei apresentado no RS, por um deputado que apoia o golpista Temer.

Chamado de “escola sem partido”, o projeto tenta impedir os professores de manifestarem qualquer posição política.

Vejam como nada é coincidência. É o próprio Paulo Freire quem ataca a falsa neutralidade. Em sua obra “Pedagogia da Autonomia”, ele diz:

“Em nome do respeito que devo aos alunos não tenho por que me omitir, por que ocultar minha opção política, assumindo uma neutralidade que não existe... O meu papel, ao contrário, é o de quem testemunha o direto de comparar, de escolher, de romper, de decidir e estimular a assunção deste direito por parte dos educandos."

Então, Temer, em respeito aos alunos, aos professores e a todo o povo brasileiro, exigimos suas explicações.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter