Cadastra-se para receber notícias
BOHN GASS: “GOVERNO TEMER NEGA AJUDA AOS PRODUTORES DE LEITE”

14/09/2017 05:35

Tamanho da fonte

BOHN GASS: “GOVERNO TEMER NEGA AJUDA AOS PRODUTORES DE LEITE”

- No que depender do governo Temer, os produtores de leite do Rio Grande do Sul e de outros estados brasileiros continuarão sofrendo enormes prejuízos com a redução do preço – de até 7 centavos por litro - pago pelas indústrias e cooperativas compradoras.

Nesta terça-feira (12), mais uma reunião para tratar da crise dos produtores aconteceu em Brasília e, segundo o deputado Elvino Bohn Gass (PT/RS), “nada ficou resolvido, nenhuma verba foi anunciada e não houve, sequer, o anúncio de alguma medida por parte dos representantes do governo Temer”.

Recebidos pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, os representantes do setor lácteo formalizaram o pedido de que o governo faça compras emergenciais a fim de enxugar o excedente de produção atual que tem prejudicado a competitividade do segmento. “A resposta foi um balde, não de leite, mas de água fria nos produtores. O ministro disse simplesmente disse que não há orçamento para isso. É só mais uma prova do descompromisso do governo Temer para com a agricultura familiar, setor onde o leite é gerador fundamental de renda”, avalia Bohn Gass.

A compra emergencial solicitada ao governo foi de 50 mil toneladas de leite em pó e de 400 milhões de litros de leite UHT, além da fixação de cotas de importação de leite do Uruguai.

Participaram da reunião dirigentes do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat), Fetag, IGL, Fecoagro e Famurs, além do presidente da Languiru, Dirceu Bayer, o presidente da Dália, Gilberto Piccinini, representantes do Sindicato da Indústria de Laticínios do Paraná (SindileitePR), do Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (SILEMG) e o secretário da Agricultura do RS, Ernani Polo. De parte do governo, além de Padilha, estiveram o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira e, ainda, representantes do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter