Cadastra-se para receber notícias
“Salário mínimo sem ganho real prova que Bolsonaro governa para os ricos”, diz Bohn Gass

16/04/2019 02:04

Tamanho da fonte

“Salário mínimo sem ganho real prova que Bolsonaro governa para os ricos”, diz Bohn Gass

Brasília, 16/04/19 - Deputado tem projeto de lei para retomar ganho real do salário

“Negar um aumento de dez reais a mais no salário mínimo é uma crueldade com os trabalhadores mais pobres e com os aposentados do Brasil. Ao fazer isso, Bolsonaro prova que governa para os ricos, não para os 48 milhões de brasileiros que têm rendimento referenciado no salário mínimo”. Assim o deputado Elvino Bohn Gass (PT/RS) analisa a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) apresentada pelo governo Bolsonaro que acaba com a política de aumento real do salário mínimo no país.  

Na LDO, o governo propõe que apenas o reajuste da inflação incida sobre o mínimo para 2020, o que resulta num valor de R$ 1.040,00. A política anterior, adotado pelos governos do PT desde 2004, incluía, além da inflação, também a variação do PIB do ano anterior. Nesse cálculo, o valor seria de R$ 1.050,83. Bohn Gass detalha: “O governo considerou uma inflação de 4,20%, mas desconsiderou a variação do PIB, que foi de 1,1%. Quem nega 1% de aumento a quem mais precisa não é responsável, é cruel. Em um ano, são R$ 130,00 a menos. E o mais grave: essa política corrói o poder de compra do salário mais baixo pago no país”, alerta Bohn Gass.

PROJETO DE LEI - O deputado gaúcho e a deputada Gleisi Hoffmann (PT/PR) são autores de um projeto de lei que retoma o cálculo inflação + PIB). “A experiência de valorização iniciada em 2004 significou reajuste acumulado de 283,85% sobre uma inflação de 120,27%, ou seja, foi um período em que o trabalhador teve mais renda e mais qualidade de vida” Se o projeto já estivesse aprovado, ao invés de aumentar R$ 42,00 sobre os atuais R$ 998,00 do mínimo, Bolsonaro seria obrigado a propor R$ 52,83 de aumento.

O parlamentar afirma que Bolsonaro pratica a “velha economia sem povo que só aumenta o ganho do rentismo e do mundo privado”. Ele cita cálculos do Dieese. “Quando o mínimo subiu para R$ 998, em 2019, o incremento de renda na economia foi de R$ 27,1 bilhões. Se o aumento fosse maior, o incremento também seria maior. Mas ao governo Bolsonaro não interessa o desenvolvimento. Ele governa para um pequeno grupo de ricos, não para o país”, finaliza Bohn Gass.

por João Maneco (061)993030591

Foto PTnaCâmara/Divulgação - Bohn Gass: "Bolsonaro negou 1% de aumento a mais para quem mais precisa. Isso é crueldade!"

 

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter