Cadastra-se para receber notícias
Artigo - NEGAR A FOME DEVE SER CASO DE IMPEACHMENT

24/07/2019 05:10

Tamanho da fonte

Artigo - NEGAR A FOME DEVE SER CASO DE IMPEACHMENT

Foto do Catraca Livre

 

// por Elvino Bohn Gass

publicado originalmente em www.viomundo.com.br

Bolsonaro disse isso: “Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem, aí eu concordo. Agora, passa fome, não”.

Aqui, Bolsonaro cruzou uma linha. Uma linha da decência moral ou da sanidade mental, mas uma linha que não pode ser transposta por um governante.

Temos engolido muitos absurdos ditos e feitos por Bolsonaro porque, queiramos ou não, gostemos ou não, ele é presidente e foi eleito. 

Mas Bolsonaro precisa saber que há limites, mesmo para quem é eleito.

Não é possível nem suportável que o presidente da República desrespeite a esse nível o sofrimento mais profundo de um povo (ou alguém conhece dor maior do que a da fome?). 

A fome, e Bolsonaro deveria saber, não é de esquerda nem de direita. A fome é um fato. Um fato indecente em um país que é um dos maiores produtores mundiais de alimentos.

Está em situação de fome todo aquele ser humano que não consome o valor energético suficiente para suprir suas necessidades diárias em energia. Quando isto acontece, o corpo passa a se alimentar de sua própria matéria, primeiro a gordura, depois os músculos, até sua falência. A fome provoca doenças de todo o tipo, retarda o crescimento, impede a capacidade de aprendizagem e, por fim, leva à morte.

A FAO, braço da ONU para questões de alimentação e agricultura, calcula em cerca de 5,2 milhões o número de pessoas que passam fome no Brasil. Definitivamente, a fome em nosso país é um fato, não uma opinião.

Negar um problema é uma decisão, também, de não enfrenta-lo. Negar o desmatamento da Amazônia, é decidir que ele continuará. Negar o desemprego, é decidir que nada será feito para tirar milhões de brasileiros da exclusão. Negar a fome é condenar outros tantos milhões à morte.

Isto é produto de má fé ou de incapacidade psíquica de compreender o mundo. No último caso a legislação prevê a interdição, para incapazes mentais de todo o tipo; para o primeiro, o impedimento por improbidade. Numa ou noutra condição, o fato é que Bolsonaro precisa ser parado. A loucura ou a desfaçatez não pode governar o Brasil até que nada reste.

O Brasil precisa se reencontrar com a sanidade, a civilização e um mínimo de dignidade. E a essas alturas, podemos afirmar: com Bolsonaro, não o fará!   

 

Deputado Federal PT/RS

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter